Falta de chips reduz produção de automóveis no mundo

 

Toyota, GM e Ford vão cortar a produção de veículos em razão da falta de chips. Montadoras não detalham quais componentes estão em falta.

Com a nova onda de Covid-19 se espalhando pelo Sudeste Asiático, agravou-se ainda mais a escassez de chips que está abalando a indústria automotiva mundial. O problema é tão sério que três das maiores montadoras do mundo já anunciaram interrupções na produção de automóveis.

A Toyota, maior montadora de automóveis do mundo, informou que cortará a produção mundial de veículos em 40%. Já a americana Ford informou que uma de suas fábricas vai parar de produzir a F-150 por uma semana, a partir da próxima segunda-feira (23). A General Motors, ampliou as interrupções que já vinha implementando em suas linhas de produção na América do Norte.

Falta de chips faz GM reduzir a produção na América do Norte.
Chevrolet Silverado pronta para deixar a linha de montagem de uma fábrica da General Motors em Flint, MI. Foto tirada por Jeffrey Sauger, em 12 junho de 2019.

Nessa quinta-feira, a japonesa Toyota informou que produzirá 540 mil veículos em setembro, número bem abaixo dos 900 mil que a montadora originalmente previa produzir.

Quase todas as fábricas da Toyota pelo Japão serão afetadas pelos cortes de produção, com interrupções em 27 linhas de montagem. Linhas de produção fora do Japão também terão a produção reduzida. As fábricas da Toyota na América do Norte e na China terão um corte de 80 mil veículos a menos do que era esperado. Na Europa, o corte na produção de veículos será de 40 mil. 

Falta de chip faz Toyota paralisar a produção em fábricas de todo o Japão.
Veículos da Toyota enfileirados aguardando para serem despachados no Porto de Yokohama. Foto tirada pela Bloomberg, em 1º de novembro de 2020.

Os executivos da Toyota informaram que a crise da falta de chips semicondutores está sendo causada pelo aumento dos casos de Covid-19 no Vietnã e na Malásia. O rápido alastramento de novas cepas do coronavírus também está provocando escassez de outras autopeças em toda a linha de produção mundial do grupo.

Na linha de produção da F-150 da Ford, em Kansas City, no estado do Missouri, a montadora vai suspender o turno extra nesse final de semana. A fábrica ficará “ociosa na semana [a partir] de 23 de agosto em razão da falta de peças relacionadas a semicondutores decorrente da pandemia da covid-19 na Malásia”, disse Kelli Felker, gerente de produção e comunicações laborais da Ford, ao “Financial Times.”

Picapes da Série F estacionadas na porta da fábrica da Ford em Kansas City, MO. Foto: divulgação.

A General Motors também teve que ajustar os horários de trabalho nos três países da América do Norte: Estados Unidos, Canadá e México, em razão das “limitações no suprimento de semicondutores provenientes dos mercados internacionais que passam por restrições relacionadas à covid-19,” informou a empresa. Entre os modelos que são produzidos por essas fábricas que ficarão paralisadas temporariamente estão o Cadillac XT5, o GMC Acadia e a Chevrolet Blazer, segundo a General Motors.

Os cortes são um revés para a Toyota, que havia conseguido gerar lucro recorde apesar da pandemia e da falta de chips semicondutores no mercado. O cenário atípico causado pela pandemia impactou de forma mais forte as demais montadoras de automóveis do mercado.

Falta de chips semicondutores está sendo causada pelo aumento dos casos de Covid-19 no Vietnã e na Malásia.
Militar desinfeta as ruas de Hanoi, durante um lockdown para conter o avanço coronavírus no Vietnã. Foto tirada pela Reuters, em 26 de julho de 2021.

Até o momento, a Toyota vinha conseguindo escapar de grandes problemas, graças a seu grande estoque de chips e à sua capacidade de gerenciamento da linha de produção, que foi aperfeiçoada durante desastres naturais passados.

A Toyota não quis comentar quais componentes estão em falta.

Os anúncios de cortes de produção da Toyota, GM e Ford chegam depois de a montadora chinesa Geely também ter alertado nesta semana para a continuidade das “incertezas” em torno à produção, em razão da crise dos chips. Em julho, a Jaguar Land Rover cortou sua previsão de vendas pela metade e também atribuiu o problema à falta de semicondutores.

Siga-nos no Twitter:

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

You cannot copy content of this page